Termos natalinos 2019

sexta-feira, dezembro 20th, 2019

Está chegando o Natal! E nós vivemos um ano intenso! Trabalhamos em uma infinidade de revisões, em variadas línguas, e traduzimos projetos de muitos assuntos, sempre com a qualidade e respeito aos prazos que nos representam. E só porque está chegando o fim do ano, não quer dizer que vamos nos acomodar! É por isso que, hoje, escolhemos um termo em cada uma das nossas línguas de destaque para explicar um pouco melhor, e mostrar mais uma vez, que tudo está imerso em cultura e as palavras simples que utilizamos podem ir muito além. E é por isso que nosso foco cultural é tão importante e fundamental! Você conhecia os termos abaixo?

Villancico

Se você leu nosso post do ano passado sobre canções natalinas, esse termo já é familiar! São basicamente canções e músicas comemorativas, especificamente natalinas, cantadas em língua hispana e que geralmente são religiosas, podendo haver exceções.

Destrinchando o termo, “villan” de “villanus” e o sufixo “-cicus”. Villanus, do latim, literalmente, vilões, eram as pessoas que moravam em vilas (curioso, considerando o sentido atual da palavra). As músicas, originalmente, eram compostas por pessoas interioranas, que viviam em vilarejos e costumavam tratar de assuntos considerados fúteis, como amor, azar e picaretagens. Com o passar do tempo e influência da igreja católica, essas alegres canções mudaram para se tornar o que conhecemos hoje em dia.

Grinch

Alguns meses atrás, compartilhamos no instagram o termo “scrooge”, que é um ícone do desgosto com o natal e, como explicamos, o sobrenome vem de um termo antigo.

No caso do Grinch, o fenômeno é contrário: apesar do sobrenome “Grinch” ser comum na literatura desde 1903, o primeiro uso da palavra como pessoa que não gosta de natal e tem o coração cheio de mágoa e maldade é no livro de “Como o Grinch roubou o Natal” de Dr. Seuss, no ano 1957. Este é o caso de um termo que adquiriu vida própria e se expandiu passando de ser o simples nome de uma personagem para caracterizar uma personalidade específica (daquele que odeia natal) e chegou até mesmo a virar um verbo (grinching) demonstrando de forma clara como a língua é viva e se expande a cada momento.

Confraternização

Há quem ame, há quem odeie, mas não tem como escapar das confraternizações de fim de ano! Muito para além da reunião da empresa ou dos colegas da faculdade, o termo vem do latim “fraternu” (viver com companheirismo, tratar como irmão, e reunir-se em um ambiente de convívio) com o sufixo “-izar” de realizar uma ação. Isso revela que o termo possui um significado profundo, e um certo desejo de irmandade e fraternidade, que de certa forma de perdeu na nossa sociedade atual. Ele pode servir também para dividir e compartilhar crenças e lembranças. É por isso que analisar nossa língua é tão importante, porque nos ajuda a resgatar significados ocultos e perdidos em tudo aquilo que dizemos e que está já estabelecido na nossa cultura!

Se você conhece mais termos interessantes que poderíamos trazer sob a lupa da etimologia e a análise cultural, nos envie! Deixe nos nossos comentários e, com certeza, tratemos em forma de post para levar mais longe a riqueza das palavras e o valor da tradução!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vernaculum - Todos Direitos Reservados 2019