O que considerar ao contratar um tradutor ou intérprete

sexta-feira, julho 14th, 2017

Muitos de leitores conhecem os prazeres de ser tradutor. A parte boa de dominar a língua e todas suas particularidades. As coisas divertidas e deliciosas que saem de erros de tradução ou de textos bem escritos. Mas quase nunca falamos das confusões comuns que são cometidas na hora de solicitar um serviço ou de contar para seus parentes qual é seu trabalho.

Você é tradutor? Como fala “rebimboca da parafuseta” em inglês?

Essa dor é comum. Apesar do nosso amplo conhecimento, não somos um dicionário! É comum ter curiosidade e sentir que é difícil alguém saber tudo sobre uma língua. Por isso, tradutores sempre estão buscando novos conhecimentos e pesquisando! Aumentando nosso vocabulário e aprendendo novas palavras.

Mas, caso haja dúvidas, você pode dizer “whatchamacallit” para referir-se à rebimboca da parafuseta! 😉

Interpretação? Você é atriz?

Outra pérola comum. Esse é um problema notado no português e espanhol, já que o termo pode ser usado para interpretação como modalidade de tradução ou para interpretação teatral. Está aí a língua complicando nossa vida mais um pouco! … Você sabia que, em inglês e alemão, as duas palavras são diferentes e esse erro não ocorre?

Você é tradutor? Dá aula também?

Pelo fato de ambas profissões usarem as línguas como principal ferramenta, é muito comum que ocorra esta confusão, havendo até tradutores que seguem ambas.

Porém, essa nem sempre é a regra. Tanto o ensino quando a tradução tem suas particularidades e são muito diferentes uma da outra. Os níveis de domínio que são usados em uma, às vezes não são os mesmo que utilizamos na outra. Portanto, nem todo tradutor pode ser professor, e vice-versa!

Interpretação simultânea? Sussurrada? Consecutiva? Não é tudo igual?

Por desconhecimento, é comum achar que interpretação é uma coisa só. Porém, ela tem várias ramificações e cada uma delas possui suas particularidades!

– Interpretação simultânea: Tradução, realizada por meio de equipamentos, em tempo real e por cima do que o locutor está falando. É a modalidade mais conhecida, que podemos ver comumente no Oscar;

– Interpretação consecutiva: Tradução, podendo ser por aparelhos ou não, em que o locutor fala todo seu discurso na sua língua original e após sua conclusão, o tradutor repete o discurso, na língua dos ouvintes;

– Interpretação intermitente: Tradução sem aparelhos, em que o locutor fala uma frase, para, e o tradutor repete no idioma dos ouvintes. É muito comum em entrevistas de presidentes, por exemplo.

 

Às vezes somos pegos de surpresa com esta pergunta. Eventualmente, podemos dar um valor tabelado, padrão, para textos pequenos ou só para passar uma noção. Porém, não é tão comum! Nós, como tradutores, sempre temos que levar em consideração alguns fatores como tempo, par de idiomas, complexidade do texto e número de palavras na hora de passar um valor final. Nos mande seu texto e nos esforçaremos por responder o mais rápido possível e te ajudar da melhor forma!

E sua área de conhecimento? Ela possui esse tipo de questões?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vernaculum - Todos Direitos Reservados 2019