A tradução, presente no Natal

quinta-feira, dezembro 24th, 2015

christmas_ornaments_flickr_jurvetson

Dezembro é a época em que todo o mundo está focado nas férias, nos presentes de amigo secreto e nos pratos da noite de Natal. E apesar do Natal ser um momento do ano em que as pessoas parecem estar um pouco “lost in translation” – como a tia que nós dá meias de presente quando deixamos bem claro que queriamos um celular novo, ou o tio que continua fazendo a infame “piada do pavê” sendo que nossas caras deixam claro todos os anos como ela é desnecessária – temos que reconhecer que muitas comemorações e tradições natalinas só são possíveis graças à tradução, que aproximou as culturas de várias formas.

Um exemplo típico são as típicas músicas natalinas. Todos conhecem as músicas “Noite Feliz” e “Jingle Bells” (ou bate o sino, em tradução livre) mas o que ninguém sabe é que “Noite Feliz” originalmente é uma música alemã, apesar de ser extremamente famosa em países nos quais se fala o inglês, como o Reino Unido e os Estados Unidos. Seu nome original é “Stille Nacht” e foi escrita por Joseph Mohr em 1818, para ser tocada na missa de galo da paróquia de São Nicolau. O sucesso da música foi tanto que ela se espalhou pelo mundo, ganhando múltiplas versões em vários idiomas! No Brasil, vários artistas cantaram a música, incluindo Sandy & Júnior e até mesmo a Xuxa!

Já “Jingle Bells” é originalmente escrita em inglês pelo compositor americano James Lord Pierpont e, originalmente, ela não era considerada uma música natalina e seu título era “The One Horse Open Sleigh”. Outra curiosidade sobre ela é que na época de seu lançamento ela não foi um hit e pouca gente deu atenção. Porém, com o tempo, “Jingle Bells” tornou-se a música natalina mais popular e fácil de reconhecer.

E não são só as músicas que chegaram a nós por meio da tradução. Você sabia que Papai Noel, o bom velhinho que é uma das personagens mais icônicas do natal tem suas origens na Turquia? Saint Nicholas, ou São Nicolau de Mira, era um bispo grego que se estabeleceu na região de Myra, na Turquia, e ficou conhecido por sua afinidade com as crianças e sua generosidade. Aos poucos, a sua lenda foi tomando a forma moderna que conhecemos, do velhinho que viaja pelo mundo inteiro para levar presentes às crianças.

Finalmente, um dos contos mais populares desta época do ano é a história do “Grinch”. Um ser mal-humorado e avaro que detestava o natal e não media esforços para estraga-lo. A sua história foi originalmente escrita pelo genial Dr. Seuss, e acredita-se que seu nome deriva do termo francês “grincheux” que se refere a alguém que se recusa a celebrar o Natal ou se opões às tradições desta época do ano.

E você? Este ano você será um Saint Claus ou um Grinch? Seja qual for sua forma de encarar esta festa, a equipe Vernaculum deseja um Feliz Natal cheio de paz e positividade! 🙂


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vernaculum - Todos Direitos Reservados 2019